1. Home
  2. Notícias

STF aplica majoração do Finsocial a empresa prestadora de serviços

17/05/2018

Livia Scocuglia

Por maioria, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiram, nesta quarta-feira (16/5), que deve haver a majoração das alíquotas da contribuição ao Fundo de Investimento Social (Finsocial) ao contribuinte que se qualifica como empresa exclusivamente prestadora de serviços.

A discussão no plenário do tribunal se deu por conta de embargos de divergência no Recurso Extraordinário (RE) 193.924. O recurso foi apresentado pela União, que apontou divergência entre uma decisão da 2ª Turma do STF, de mais de 20 anos, e a decisão do plenário no RE 150.764, que determinou ser inconstitucional a majoração das alíquotas da contribuição ao Finsocial para as empresas não dedicadas exclusivamente à prestação de serviços. No caso, a discussão envolve a empresa Sanoli – Indústria e Comércio de Alimentação Ltda.

O relator, Edson Fachin entendeu que seria necessário rever provas para analisar o mérito da matéria, ou seja, seria preciso analisar se a empresa realmente se dedica exclusivamente à prestação de serviços para que então houvesse a majoração das alíquotas da contribuição ao Finsocial. Assim também entendeu o ministro Ricardo Lewandowski. Os dois ficaram vencidos.

Em relação à Súmula 658 do STF, que prevê a constitucionalidade da majoração da alíquota do Finsocial, citada durante o julgamento, Fachin afirmou que a regra trata apenas das empresas dedicadas exclusivamente à prestação de serviços.

“A Súmula 658 se refere às empresas prestadoras de serviço e não há discussão verticalizada suficiente nestes autos para em sede de embargos de divergência reconhecer que é uma empresa exclusivamente prestadora de serviços”, afirmou Fachin.

No entanto, ao abrir divergência do relator, o ministro Alexandre de Moraes afirmou que a decisão da 2ª Turma divergiu da jurisprudência do Plenário do STF ao negar a majoração da aplicação da alíquota de contribuição para o Finsocial à empresa que se apresentou como prestadora de serviços.

“A empresa foi reconhecida como prestadora de serviços e mesmo assim a turma não aplicou a majoração da alíquota de contribuição para o Finsocial”, afirmou ao dar provimento aos embargos de divergência apresentado pela União.

O voto foi acompanhado pelos ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Celso de Mello e Cármen Lúcia. Para eles, o paradigma (RE 150.764) declarou a inconstitucionalidade da incidência do Finsocial a empresas destinadas a vendas de mercadorias e mistas, mas, no caso, trata-se de empresa prestadora de serviço. Os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes não participaram do julgamento.

Segundo Bruno Teixeira, de TozziniFreire Advogados, desde o início do julgamento, a questão estava bem centrada no caso concreto, ou seja, se o julgado da 2ª Tturma estava de acordo com a jurisprudência da Corte.

“Sendo exclusivamente prestadora de serviços, a jurisprudência do tribunal realmente afasta a inconstitucionalidade da majoração da alíquota do Finsocial. Portanto, note que a questão foi decidida com maior influência da questão processual, pois o mérito, inconstitucionalidade da majoração da alíquota para empresas prestadoras de serviços, sempre foi afastada”, explicou.

Livia Scocuglia – Brasília
Fonte: Jota

Outras Notícias

FGTS terá R$ 9 bilhões para descontos em financiamentos de pessoas físicas

20/11/2018
Resolução do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) prevê R$ 9 bilhões para a concessão de descontos nos financiamentos feitos por pessoas físicas. O valor...
Ler Notícia

Consulta Pública sobre responsabilidade tributária é aberta pela Receita Federal

20/11/2018
1 - no lançamento de ofício, cujo procedimento segue, regra geral, o atualmente adotado pela já mencionada Portaria RFB nº 2.284, de 2010;2 - no despacho decisório que não homologou Declaração...
Ler Notícia

Juízo da recuperação é competente para julgar existência de sucessão empresarial quanto a obrigações trabalhistas

20/11/2018
O entendimento majoritário foi proferido no julgamento de dois conflitos de competência e seguiu o voto do ministro Luis Felipe Salomão.O caso envolveu o Grupo Sifco – em recuperação judicial –, os...
Ler Notícia

Orientações sobre o procedimento de alteração de CPF do trabalhador.

20/11/2018
Em situações raras e excepcionais o número de CPF de uma pessoa pode ser alterado pela Receita Federal do Brasil. O CPF, contudo, é utilizado pelo eSocial como o principal identificador do trabalhador e com base nele...
Ler Notícia

Tempo de mestrado e doutorado não conta para aposentadoria, decide TRF-4

20/11/2018
Na ação, o autor narrou que, após solicitar administrativamente a sua aposentadoria, o instituto recusou o pedido afirmando em parecer que ele somente cumpriria os requisitos (idade mínima de 55 anos, 30 anos de...
Ler Notícia

+ Notícias

Nossos Produtos e Soluções